Matar ou Morrer

Avaliação: 5 de 5.

High Noon (1952)

Um dos mais discutidos de todos os westerns clássicos, Matar ou Morrer inspirou Howard Hawks a fazer Onde Começa o Inferno porque ele “não achava que um bom xerife iria correr pela cidade como uma galinha com a cabeça cortada pedindo a todos para ajudá-lo”. (Você vai encontrar o filme de Hawks um pouco mais alto nesta lista, por que como cinema, Onde Começa o Inferno é uma obra-prima, mas Matar ou Morrer tem lá seus méritos, e não sou poucos.) As razões de muitos para não gostar disso eram mais complicadas, embrulhadas como estavam na política do dia, o que levou o roteirista Carl Foreman a deixar o país para a Grã-Bretanha antes de seu lançamento, assumindo com razão que ele logo seria colocado na lista negra por não cooperar com o Comitê de Atividades Anti-Americanas. Esse mesmo ambiente político sem dúvida inspirou o filme, no qual o xerife Will Kane (Gary Cooper), prestes a se aposentar, descobre que ninguém vai ajudá-lo contra um trio de foras-da-lei que acabaram de ser soltos da cadeia e juraram que vinham acertar contos com o xerife. Pois, eles vão chegar no trem do meio-dia.

Deixando a ação se desenrolar em algo próximo ao tempo real, o diretor Fred Zinnemann constrói a tensão lentamente, deixando o desespero crescente de Kane, em vez de tiroteios e atos de heroísmo, impulsionar o filme. Pelo clímax, tornou-se um drama sobre um homem corajoso, que aprende o quão covarde todos os outros podem ser quando têm algo a perder, e quão rapidamente uma boa cidade pode voltar à selvageria, não importa se seu papel em trabalhar para seu progresso foi importante.