Os Brutos Também Amam

Avaliação: 4.5 de 5.

Shane (1953)

Personagens que percebem que não têm lugar no Oeste em mudança flutuam através de muitos dos maiores faroestes (incluindo um grupo acima, mais moderno nas ideias e superior a esse filme).

Mas se há uma versão arquetípica desse personagem, é Shane, o herói concebido pelo diretor George Stevens. Interpretado por Alan Ladd, Shane tem um passado que ele prefere não falar, mas vê a possibilidade de um futuro melhor no Território Wyoming, onde os colonos se encontram assediados por um barão da terra sem respeito por suas reivindicações legais na terra. É lá que Shane faz amizade com uma família local (chefiada por Van Heflin e Jean Arthur). Ele tenta deixar seus caminhos de luta armada para trás, mas é forçado a invocar suas velhas habilidades para o bem de seus novos amigos e a vida que eles estão tentando forjar.

Stevens faz um belo uso da fotografia enquanto pergunta se será um arado ou uma arma que vai definir a América nos próximos anos. Veterano da Segunda Guerra Mundial, Stevens retornou do conflito determinado a nunca fazer filmes que glorificassem a violência. Mesmo fazendo as escolhas de Shane parecerem inevitáveis, Ladd traz um peso trágico para sua defesa dos colonos e uma sensação de que até mesmo a violência necessária vai contra o que é melhor para o espírito humano. A cena final é uma das imagens mais famosas dos westerns — e uma das mais tristes.