Vera Cruz

Avaliação: 5 de 5.

Vera Cruz  (1954)

Robert Aldrich foi outro grande diretor que toda vez que se aventurou pelos westerns, trouxe algo surpreendente para o gênero, seja em A Vingança de Ulzana, Vera Cruz ou até mesmo em O Último Pôr do Sol ou em O Último Bravo. Este Vera Cruz é um momento maiúsculo de Aldrich, apresentando Gary Cooper como o fazendeiro norte-americano arruinado, que atravessa a fronteira com o México para buscar fortuna e cai no turbilhão da revolução mexicana. Lá, ele se junta a Joe (Burt Lancaster), o líder moralmente suspeito de um bando de foras-da-lei (que inclui Ernest Borgnine, Charles Bronson e outros), para trabalharem como mercenários para o imperador Maximiliano. A primeira missão do grupo é levar a condessa Maria Duvarre (Denise Darcel) de carruagem a salvo para o porto, mas o que eles descobrem é que a carruagem esconde um carregamento de ouro para comprar armas para o exército. De todos os lados, portanto, surgem interesses em roubar a fortuna, dos revolucionários, ao próprio herói vivido por Cooper. Aldrich traz um excedente de talento visual para um filme encharcado de suor em que ninguém ao redor é inocente. A performance apertada de Cooper dá a Lancaster muito espaço para interpretar um malandro cheio de subterfúgios, um homem que pode manter um charme ofensivo até no momento em que coloca uma bala nas costas dos amigos.